Meu Perfil
BRASIL, Homem, de 20 a 25 anos, Portuguese, English, Música, Arte e cultura
MSN -




    Todas as mensagens
     Crônicas


     Dê uma nota para meu blog


     Sindicato dos Jornalistas
     Observatório da Imprensa
     Blog do Vagner Love
     Blog do Marcelo





    Lukaz Skywalker - Jornalismo


    O conteúdo produzido pelo cidadão e o papel do jornalista

     

     

    O livro 'Jornalismo Digital', de Pollyana Ferrari, é referência entre estudantes de comunicaçãoEm entrevista concedida ao aos alunos de jornalismo da faculdade Estácio de Sá, Déborah Ribeiro, Lucas Siqueira e Marisa Ferreira, a professora da Puc-SP e autora do livro Jornalismo Digital (2004), Pollyana Ferrari, falou sobre o conteúdo produzido pelo cidadão e soa como uma ameaça a centenas de profissionais da comunicação.

     

     

    Ela cita a jornalista e pesquisadora Ana Brambilla, que comenta que a atividade profissional do “cidadão repórter” é de suma importância para a abordagem de um determinado assunto em uma reportagem.

     

     

    Segundo Pollyana quando um médico escreve sobre um novo tratamento para o câncer, professores falam de educação e arquitetos comentam questões de urbanismo, são profissionais que dominam o assunto e transformam seu cotidiano em notícia, o que dá propriedade ao tema que está sendo abordado.

     

     

    De acordo com a Pollyana isso não é um problema para os jornalistas, pois, o papel do repórter “continua o mesmo e vai continuar”.

     

     

    Com as novas possibilidades de registro de imagens e sons proporcionados pela tecnologia digital, o cidadão acaba conseguindo flagrar momentos em que um repórter não está presente. Este conteúdo se torna fonte de informação para uma matéria, o que só mais traz benefícios para a sociedade, que é para quem o jornalista tem compromisso.



    Escrito por Lukaz Siqueira às 10h44
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



     

     

     

     



    Escrito por Lukaz Siqueira às 12h03
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    Monografia, mamma mia!!!

     

    A comunidade italiana em Minas Gerais é o tema do documentário que o estudante de jornalismo Thiago Branco, de 22 anos, pretende desenvolver em seu trabalho de conclusão de curso. E a escolha do assunto não é aleatória, visto que Tiago morou na Itália, mais precisamente na cidade de Turim, por sete meses.

     
    A família do estudante está radicada no país europeu há cerca de quatro anos, oportunidade que Thiago aproveitou para atravessar o atlântico pela primeira vez.
     
     
    Após o breve período na Itália, onde Thiago matou a saudade de seus familiares, o intrépido estudante retornou às terras Tupiniquins para concluir os estudos na Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte, onde ingressou em 2005.
     
     
    As incertezas ainda pairam diante de tão importante tarefa. Para o documentário, o estudante pretente buscar apoio e informações junto à Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio, para então traçar os objetivos de seu estudo.
     


    Escrito por Lukaz Siqueira às 21h58
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    1968: a última revolução

    Um marco na história da humanidade, o ano de 1968, foi o despertar de intensas transformações culturais, políticas e sociais que alcançaram todo o planeta. Tais mudanças ainda exercem grande influência sobre nós.


    É curioso que a reação em cadeia teve início no berço do iluminismo, mais especificamente no mês de maio em Nanterre e Sorbonne, e que, tal como a Revolução ocorrida no mesmo mês, 179 anos antes, também se espalhou pelos quatro cantos do mundo.


    Também foi nesta época que os quatro rapazes de Liverpool trouxeram ao mundo o “Sargento Pimenta e seus Corações Solitários”, que no Brasil, mas sem referência à solidão, foi realizado o primeiro transplante de coração e mais ao norte ocorreu o ensaio do pequeno passo para o homem, mas grande salto para a humanidade, perpetrado pela parceria entre Clarke, Kubrick e Strauss, até a primeira alunissagem em 1969.


    Mas infelizmente a série de transformações ocorridas naquele ano não se restringiram apenas a coisas boas. A luta em nome da liberdade e as baixas sofridas pelos jovens de quarenta anos atrás em todo o mundo não deve ser relembrada somente década em década como uma simples data histórica, mas como um exemplo para as próximas transformações que a geração iPod irá enfrentar no século XXI.

     

     Imagens das manifestações de 1968 na França ao som da música “Roda Viva”, de Chico Buarque, tema de uma peça de teatro também escrita por Chico que estreou em 1967 e se tornou símbolo da resistência contra a ditadura militar no Brasil.

     

    VOLTAR

    Leia mais:

    - O olhar de Otávio Dulci sobre 1968

    - O ano dos estudantes, 1968



    Escrito por Lukaz Siqueira às 00h36
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    O Sonho do Emprego Público



    Os motivos que levam cada vez mais pessoas a procurarem uma carreira pública em todos os estados do Brasil são muitos: desde um bom salário, aposentadoria diferenciada, flexibilidade da jornada de trabalho, status ou até mesmo o nobre desejo de contribuir no desenvolvimento do país.


    A grande maioria destes concursos atrai milhares de candidatos por vaga. O que deixa a disputa pelo sonhado trabalho no serviço público bastante acirrada. Dependendo do órgão que o candidato deseje trabalhar, pode ser enviado para várias localidades do país e até mesmo do exterior.


    Percebendo a procura dos candidatos a uma vaga no serviço público por um bom preparo, ministrar cursos preparatórios específicos para esses concursos se tornou uma boa oportunidade de negócio, que cria diversos postos de trabalho, desde professores e especialistas em determinadas disciplinas até profissionais de serviços gerais e movimenta uma considerável quantia de dinheiro por ano.


    Mas no final das contas fazer o cursinho mais graduado não garante a conquista da tão sonhada vaga. O candidato que deseja se tornar um servidor público, além de estudar os assuntos referentes ao cargo almejado é preciso muito esforço e disciplina.


    Dedicação e uma boa estratégia podem ser cruciais na conquista de uma vaga no serviço público. Assista ao vídeo e não se esqueça que vitória só depende de você!






    VOLTAR


    LEIA MAIS:

    Garanta Sua Vaga

    É Preciso se Preparar!

    Casos de Sucesso e Decepção



    Escrito por Lukaz Siqueira às 21h09
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    Jornalismo, aí vou eu!

    Se aproximando da etapa final do curso de jornalismo na faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte, Djian Assis pretende desenvolver seu trabalho de monografia, utilizando como tema o conteúdo dos programas de entretenimento exibidos pela televisão brasileira.

     

     

    Mas nem tudo são flores na curta, porém, árdua jornada até a conclusão do trabalho. Como todo estudante que passa por tal provação, a insegurança, as dúvidas e a pressão tornam a tarefa da lapidação do tema, ainda mais difícil do que parece.

     

     

    Atualmente no 7º período de jornalismo, Djian entrou na faculdade com o intuito de se tornar uma publicitária. Mas como no início do curso, algumas matérias entre os alunos de comunicação social são conjuntas, o contato com o jornalismo, fez Djian trocar de curso no 3º período.

     

     

    Mais uma vez, nossa futura formadora de opiniões enfrentou a troca da grade de publicidade para o jornalismo até se equiparar aos seus novos colegas de curso. E para essa promissora carreira que se inicia em breve, nem o Pulitzer será o limite.



    Escrito por Lukaz Siqueira às 21h29
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    O filho feio do Niemeyer

     

    Projetado por Oscar Niemeyer em 1951, época em que Juscelino Kubitschek de Oliveira era governador de Minas Gerais. O Edifício Governador Kubitschek, ou simplesmente Edifício JK, como é comumente conhecido, só foi concluído na década de 1970, em plena ditadura militar. Com 1.176 apartamentos distribuídos entre os blocos A e B o prédio ganhou má fama na década de 1980 por abrigar prostitutas e traficantes de drogas e ainda hoje é malvisto pelos mais ortodoxos, apesar da realidade do lugar não ser mais a mesma de décadas atrás. Atualmente o condomínio é organizado e seguro. Além das câmeras de vigilância, ninguém entra no prédio sem ter nome, documento de identidade, data e horário registrados na portaria e após as 22:00h o visitante só pode entrar acompanhado do morador.

    Comunismo

    Nascido em 1907 na cidade de Laranjeiras no Rio de Janeiro, Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares, comunista declarado, quis criar um ambiente onde houvesse interação entre os moradores. O conceito utilizado no JK foi baseado em sua ideologia política aplicado à arquitetura, concebendo espaços de cultura, lazer e comércio dentro do condomínio. Após atrasos na execução das obras e alterações no projeto original (que previa até uma piscina) o edifício foi concluído após quase 20 anos desde o desenho na prancheta até a inauguração. O bloco A tem acesso pela Rua dos Timbiras, 2.500 e o bloco B pela Rua dos Guajajaras, 1200, no bairro Santo Agostinho. Os imóveis variam entre quitinetes de 26m2 com apenas sala e banheiro, até apartamentos duplex, de 4 quartos com 186m2 nos andares mais altos e vista panorâmica para a avenida Olegário Maciel. Eduardo Santos, 39, mora em uma das quitinetes no bloco B do JK. Ele diz que ama o espaço e pretende compra-lo. Santos veio do interior de Minas e diz que nunca teve problemas com vizinhos, apesar de não abrir mão de sempre ouvir um rock´n roll. Para ele, uma das vantagens de morar no centro é a facilidade de locomoção e ter shopping, farmácia, bares e restaurantes próximos de casa. O projetista Rafael Leander, 26, vive em um apartamento no 14º andar do bloco A. Ele já morou em uma quitinete no mesmo prédio e hoje ocupa o imóvel que era alugado pela sua avó, já falecida. Leander também aprova a localização central do edifício, mas ao contrário de Eduardo, não tem planos de comprar um imóvel no JK.



    Escrito por Lukaz Siqueira às 14h31
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    Profissionais do Sexo*

    Conhecida como a profissão mais antiga do mundo, a prostituição está mais próxima de ser reconhecida, de fato, como categoria profissional. Grupos como o Asproba, Associação das Mulheres Profissionais do Sexo da Bahia e Gapa, Grupo de Apoio à Prevenção da Aids de Minas Gerais, têm alcançado progressos para a regularização da atividade de profissional do sexo. O repórter Lucas Siqueira traz mais informações:

     

    De acordo com a Classificação Brasileira de Ocupações, CBO, a atividade de profissional do sexo está classificada pelo número cinco mil cento e noventa e oito. A descrição sumária, características do trabalho e as dezoito competências pessoais exigidas pela profissão se encontram na página do Ministério do Trabalho na internet: http://www.mtecbo.gov.br/busca/descricao.asp?codigo=5198-05

     

    Helena, que trabalha a cerca de um ano como profissional do sexo é a favor da regularização da atividade, pois, principalmente as trabalhadoras da zona boêmia são exploradas e merecem melhores condições de trabalho. Apesar disso ela não tem interesse em regularizar a sua condição. Helena alega que isso colocaria sua vida social em exposição e acha que muitas profissionais até serão contra a regularização por este motivo. Já Ana Paula, também profissional do sexo, é a favor e gostaria de ter sua profissão reconhecida. Ela reclama que quando os vizinhos descobrem sua atividade, chamam a polícia e ela é forçada a mudar de imóvel, mesmo com aluguel e condomínio em dia.

     

    E que o prazer esteja com vocês!

     

     

    * matéria da disciplina de laboratório de radiojornalismo.



    Escrito por Lukaz Siqueira às 20h24
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    Mais uma réplica de nojenta e oito infesta BH

     

    No dia 15 de janeiro de 2006, ocorreu o velório de uma das melhores rádios da capital. Após quase 15 anos no ar, a saudosa Geraes FM, uma das poucas rádios com música de qualidade em Belo Horizonte, deu lugar à Mix FM, que depois ds cidades de Brasília, Curitiba, Fortaleza, João Pessoa, Campinas, Ribeirão Preto e Petrópolis, invadiu a nossa faixa 91.7.

    O responsável foi Felipe Barreto, ex-diretor artístico da 98 FM que adquiriu o capital social da extinta Geraes FM, então presidida pelo empresário João Guimarães.

    É lamentável que em meio a toda porcaria radiofônica que ocupa as principais emissoras de Minas e do país, perdemos uma rádio com programação de nível. A nossa cidade perde e principalmente os belorizontinos, que caem na mesmice do “pop boçal-adolescente”, em detrimento de uma rádio inteligente, que respeita o intelecto do ouvinte...

     

    ...E que o luto esteja com vocês.



    Escrito por Lukaz Siqueira às 16h01
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    A Notícia do SJPMG

    Novo tablóide dos Associados começa a circular em BH

     

    Chegou às bancas na última segunda-feira, 17 de outubro, novo "jornal popular" dos Diários Associados. O "Aqui" passa a circular diariamente a R$ 0,25. A linha da publicação será a mesma do "Super", de "O Tempo", com a qual deverá concorrer. O "Aqui" não terá jornalistas e mais uma vez os grandes veículos se utilizarão da artimanha de "chupar" matérias de profissionais da empresa que trabalham para outros títulos, no caso o EM, o DT e o Correio Braziliense. Segundo informações obtidas pelo [Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais. N do R] SJPMG, a nova "redação" contará apenas com editores e sub-editores, sem nenhum repórter. Será mais um jornal de lead, oferecendo uma informação de baixa qualidade a preços módicos (o leitor só tem a totalidade da informação conforme o que o bolso pode pagar). O "Aqui" consolida um antigo projeto dos "Associados", que, a princípio, seria implantado no Diário da Tarde, onde somente funcionariam as editorias de Polícia e Esporte, sendo as demais matérias chupadas de uma redação única, formada por repórteres do Estado de Minas e do Diário da Tarde. Por questões internas, o projeto não foi para frente. Agora surge o "Aqui", com a mesma proposta. Enquanto isso, o Diário da Tarde vai morrendo à mingua. Computadores obsoletos, equipamentos de trabalho de péssima qualidade (não há uma cadeira que não esteja quebrada na redação) e profissionais que se demitem, morrem ou aposentam, não são substituídos. Perde o leitor, que pagará menos por uma meia notícia e perdem os profissionais, porque não abre uma vaga sequer para repórter. Ao contrário, os Associados garantem mais uma fonte de captação de publicidade, sem pagar mais ao jornalista que trabalha dobrado.

     

    Notícia retirada do sítio do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais. Acessado em  24/10/2005: http://www.jornalistasdeminas.org.br/site_novo/not_det_N_comentario.asp?cod_not=2997&des_ed=Notícias

    Escrito por Lukaz Siqueira às 16h59
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    Escórias!

    A Av. Paulista terá rampa antimendigo! Uma das extremidades da avenida possui uma  passagem subterrânea que servia de abrigo para mendigos.

    Uma mente brilhante teve a tambem brilhante idéia de criar uma rampa em concreto (foto) para impedir a concentração de mendigos no local. A rampa é chapiscada e tem o propósito de tornar “desconfortável” sua permanência ali.

     

     

    Somente uma mente verdadeiramente iluminada para pensar nesse detalhe, afinal, se não tivesse chapisco continuaria confortável como antes e perderia sua utilidade!

     

    Já acostumamos, o capitalismo tem dessas coisas, não é minha gente? Uns têm mais do que são capazes de dar conta e outros em situação inversa. É assim que funciona, esse é o equilíbrio. Antes uns poucos privilegiados e podres ricos do que todo mundo pobretão, não é mesmo minha gente? Se bem que... de ambas a s formas praticamente todo mundo permanece pobre... Hummm, mas acho que isso não é da nossa conta, não é minha gente?

     

    Vamos ver para onde irão os cerca de 30 mendigos que se abrigavam ali...

     

    Estou louco pra saber qual será a próxima idéia tabajara para “acabar com a pobreza”.

     

    E que a rampa esteja com vocês!

     

    Fonte da notícia e da foto: Notícias do Portal Terra (www. terra.com.br) 23/09/2005.



    Categoria: Crônicas
    Escrito por Lukaz Siqueira às 10h16
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    Não sejamos cruéis

    Nosso amigo “blogueiro” fez uma importante observação: “o dinheiro só nos preocupa quando falta”. De fato, se começasse a crescer cabelo na careca do Valério, a Mamãe Ganso teria percebido na hora, já que proteger a imagem do reduto famíliar também é tarefa sua. Mas não sejamos tão cruéis com ela!

    Visto que a imprensa tomou a liberdade de “photoshopar” a cara da mulher do Valério com a alegação absurda de se tratar de um “desenho”, observem com atenção a “representação artística” de minha autoria (obrigado) da ex-careca do pivô do mensalão.

    Fonte da imagem original: Notícias do Portal Terra (www. terra.com.br).

     

    Ps. Que fique claro que não tenho cometido o mesmo erro da imprensa credenciada. Ainda não me formei em jornalismo, mas desde o berço tenho compromisso com a ética. Valério não pediu sigilo de sua imagem e suas madeixas negras são uma mera simulação de como ficaria discrepante sua fisionomia. Isso prova a importante observação de meu amigo e não só a esposa, mas qualquer pessoa que o vira antes perceberia logo de cara (ou seria careca?) a diferença na “imagem”.

     

    E que a força esteja com vocês!



    Categoria: Crônicas
    Escrito por Lukaz Siqueira às 15h52
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    Mamãe Valério

    É impressionante como a elegante senhora Marcos Valério (foto) zela pela integridade de sua família. Ela exigiu que sua imagem não fosse veículada nos jornais – apesar de que alguns periódicos exibiram uma foto “photoshopada”, alegando se tratar de uma “representação artística”, e apenas pudemos ver a fisionomia da Senhora Renilda durante seu comovente depoimento à CPI.

    Mesmo cuidado não tomou, ao que parece, quanto ao enriquecimento meteórico de seu marido, uma das peças centrais do escândalo no governo do partido dos trabalhadores.

    Isso pode ser compreendido. O conforto vem em primeiro lugar. O bem estar da família é o que sempre preocupou a Sra Valério e o encarregado de tal tarefa era seu marido. Ao que pudemos ver, cumpriu muito bem. A forma não deve tê-la importado tanto, afinal, numa família, cada um tem seu dever e, desde que bem cumprido, as preocupações terminam.

    O problema foi que seu amado marido não desempenhou sua tarefa licitamente, pelo menos não aos olhos dos vizinhos. E isso trouxe preocupações à dona da casa. A Senhora Renilda ficou envergonhada, precisou dar explicações em rede nacional, sua família foi exposta e ela não pôde dar maiores satisfações por não ser tratar de um de seus deveres no seio do lar.

    Assistimos via TV Senado. Nós que não somos parentes, esperamos que esse leve equívoco do chefe da casa não termine em jantar fora, que teria como prato pricipal, pizza.

    Mamãe Valério deve estar menos preocupada agora, a poeira tem abaixado e colocar seu lar em harmonia novamente não é mais tarefa sua.

    Fonte da imagem: Notícias do Portal Terra (www. terra.com.br).



    Categoria: Crônicas
    Escrito por Lukaz Siqueira às 08h07
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    Dia do Fusca!

    Eu estava mesmo precisando atualizar esse blog. O pessoal tem reclamado que nunca aparece nada de novo por aqui há tempos... Pois bem, hoje não é um dia qualquer, hoje é o melhor dia do ano para eu atualizar o blog e sabem por que? Hoje é o Dia Mundial do FUSCA!

    O eterno Volkswagen Sedan, que no Brasil ganhou o apelido de Fusca, chegou por  aqui no ano de 1950, um (único) exemplar foi importado por um cara lá de SP. Logo após ele passou a ser importado da Alemanha e vendido aqui. Em meados da mesma década o besouro começou a ser montado no país com as peças importadas do seu país de origem. Daí para a nacionalização da produção foi um pulo :)

    O último Fusca do mundo foi produzido em 2003, no México.

     

     

     

     



    Escrito por Lukaz Siqueira às 08h04
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    Calcinha Azul

    Adquirida em Maio/2005 "ela" faz o maior sucesso entre "Os Terríveis"*. Uma corôa mto enxuta, nascida no pSiCoDéLiCo ano de 1976. Seu apelido carinhoso se deve a sua coloração peculiar. No último feriado de Corpus Christi ela nos levou à Serra do Cipó, no maior encontro de bandas de puro Rock n´Roll de Minas Gerais. Ela venceu os 60 Km que separa a Capital Mineira do saudoso acampamento com desenvoltura. Exceto o cabo do óleo de freio que arrebentou no caminho, a viagem transcorreu muito bem, obrigado. Isso ainda nos ajudou chegar bem mais rápido ao nosso destino .

     * "Os Terríveis" são um grupo de 5 amigos adoradores de cerveja. O apelido surgiu quando mãe de um amigo nosso, dono de um boteco, exclamou, certa vez, que éramos Terríveis. A partir disso Os Terríveis decidiram juntar as distintas influências musicais numa banda de Rock Pesado. Nosso 1º ensaio está marcado para dia 12/06.



    Escrito por Lukaz Siqueira às 11h18
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]